Geral

Passarelli atua em obras de saneamento e despoluição no Rio de Janeiro


A Passarelli, empresa de engenharia e construção, está à frente de obras para a melhoria e modernização do sistema de esgoto no Rio de Janeiro. Uma das mais atuais é o Coletor Tronco Faria-Timbó que, quando finalizada, beneficiará 456 mil moradores de 21 bairros cariocas. O objetivo é instalar 6,1 km de Coletor Tronco no Rio de Janeiro até o fim do prazo contratual, previsto para dezembro de 2021.

“Mais de R$ 134 milhões estão sendo investidos no projeto que vai permitir que 1049 L/s de esgoto deixem de ser despejados diretamente na Baía de Guanabara”, destaca Cássio Penteado Serra Neto, gerente de operações da Passarelli Engenharia e Construção. As obras integram o PSAM – Programa de Saneamento Ambiental da SEAS – Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade do Rio de Janeiro, levando o esgoto que antes era despejado na natureza para tratamento na ETE – Estação de Tratamento de Esgoto Alegria.

Serra Neto destaca ainda que o projeto é um passo fundamental para a despoluição da Baía de Guanabara, mas alerta que a solução definitiva requer a continuidade do programa e a viabilização de novas obras que incluem despoluição dos rios de 24 bacias hidrográficas. “O novo marco do saneamento é um grande avanço para ajudar a ampliar a oferta de saneamento básico no Rio de Janeiro, onde cerca de 35% dos esgotos ainda não são tratados”, afirma.

Em abril de 2020, a Passarelli, como empresa líder de um consórcio, também foi a responsável pela conclusão da construção do Coletor Tronco Cidade Nova, uma obra do PSAM – Programa de Saneamento Ambiental. Foram 4,1 km para interligar ao Sistema Alegria. Ao todo, 750 L/s de esgoto deixaram de ser despejados diretamente na Baía de Guanabara, beneficiando 163 mil pessoas. Essa fase exigiu um investimento de R$ 85 milhões. O Coletor Tronco Manguinhos, outra obra que está sendo executada na capital carioca, de responsabilidade da Passarelli, faz parte do sistema Alegria, que também vai redirecionar o esgoto captado para estação de tratamento ETE Alegria. Após concluído, serão 42 poços de visita distribuídos ao longo dos seus aproximadamente 4,6 km de extensão. Ele, sozinho, será responsável pelo redirecionamento de aproximadamente 1300 L/s de esgoto in natura.

Juntos, os coletores CT Cidade Nova, CT Faria-Timbó e CT Manguinhos representam 105 piscinas olímpicas diárias de esgoto que passarão a receber o tratamento adequado, beneficiando diretamente mais de 1,2 milhão de habitantes no entorno das obras e 11 milhões na Baía de Guanabara.


Fonte: Revista Hydro